PARA BLOGS

PARA BLOGS
LINKS ÚTEIS

GUIA SÃO PAULO

GUIA SÃO PAULO
GUIA SÃO PAULO

GUIA DEFINITIVO

GUIA DEFINITIVO
GUIA DEFINITIVO

Tatuagens; Como lidar com a negação da família?




Quando falamos sobre tatuagem, tudo começa pela difícil escolha de escolher uma que você tem certeza que não vai enjoar futuramente. Ver posts e matérias em sites e revistas com inspirações de tatuagens para vários gostos e estilos é o que mais encontramos por ai, o que acaba sendo incrível, pois esse tipo de inspiração é sempre valida. Mas, de que adianta escolher a tatuagem que mas nos agrade, quando para nossa família isso é assunto negado? Apesar das tatuagens terem ganho um reconhecimento e uma aceitação muito maior nos dias de hoje, a marca na pele continua sendo um tabu em muitas famílias.

Acreditem ou não, já ouvi casos que filhos foram EXPULSOS de casa por terem feito uma tatuagem. Loucura? Não, na verdade isso vai muito de costumes e culturas. Mas apesar dos costumes e culturas, todos os pais chegam a mesma conclusão final “Você não vai fazer porque isso vai te atrapalhar na hora de arrumar emprego”. E na verdade, eles podem ter razão. Imagine você, cursando uma faculdade de medicina, profissão em que a ética fica muito mais exigente, fechando o braço com caveiras e tribais? “mas ética não tem nada haver com tatuagem” Na verdade, tem sim! Se você optar por uma área da medicina, onde atenda os mais diversos públicos, muitos não vão gostar de ver “seu medico”com o braço todo desenhado. Mas, escolher uma profissão cheia de responsabilidades, não significa que você não possa ter uma tatuagem em um lugar estratégico.

A grande duvida é; como fazer com que seus pais e sua família entendam isso? Vou contar como foi a minha experiência com tatuagens VS família, e como eu consegui driblar e fazer todo mundo entrar em harmonia. Minha família sempre foi muito implicante quando o assunto era tatuagem. Meus pais não gostavam, e meus avós, menos ainda. Eu sempre fui muito certa das tatuagens que eu gostaria de fazer, nunca escolhi nada gigantesco, e sempre antes de concretizar a ideia, eu desenhava com caneta permanente para saber se era o que eu realmente queria e se eu não iria enjoar depois. Optei pela minha primeira, um conjuntinho que sou apaixonada; um coração no dedo mindinho, e a palavra “Love” no de do anelar. Quando tive certeza que era aquilo mesmo que eu queria, chamei meus pais para conversar, e logo de cara ouvi um grande NÃO como resposta. Mas não desisti, foi indo e com muita conversa, consegui mostrar que o conjuntinho cheio de amor, não ia prejudicar em nada na minha vida e na minha carreira. O que mais me deu “dor de cabeça” foi convencer meus avós que um coração no dedo mindinho não faria de mim uma “assassina em serie e criminosa maníaca” (palavras da vovó e do vovô) porem, também com muita conversa consegui mostrar que não tinha nada de criminoso no pobre coração, mas sim algo fofo e que depois, segundo minha própria avó ficou "muito simpático". Depois de um ano de conversa, fui a primeira da minha família, de 3 gerações a fazer uma tatuagem (achou que eu tava brincando quando disse que ninguém aceitava?) e não é que todo mundo gostou? Hoje estou com três tatuagens, e pretendo fazer mais! Toda que eu quero fazer ou que eu acho bonita, mostro pros meus pais e perguntam o que eles acham, depois da primeira, ambos se tornaram bem flexíveis, meus avós ainda torcem o nariz, mas bem menos que antes.

Portanto, a dica que eu dou é a seguinte; converse. Tudo se resolve na base da conversa, acredite ou não. Primeiro analise todos os estúdios, veja o mais confiável. Depois escolha uma tatuagem que você terá certeza que não vai te atrapalhar e que você NÃO VAI ENJOAR. Outra dica é, se você faz parte de uma família, onde o assunto de tatuagem seja tratado como um crime, escolha sempre algo pequeno pro começo. Não chegue dizendo que vai fazer um dragão nas costas toda ou uma roseira do pescoço ao tornozelo. Coisas pequenas são bem mais fáceis de serem aceitas. Tenha paciência e não desista no primeiro “não”; se é algo que você quer, lute para convencer. Convide seus pais para irem com você até o estúdio; isso fará com que eles conheçam o lugar e percebam que você não vai morrer infectada por uma agulha (a importância de se escolher um estúdio confiável esta aqui). Mostre a eles algum artista que eles gostem que possuam tatuagem; no meu caso, isso ajudou hahahha. De maneira alguma faça ESCONDIDO; isso só vai diminuir a confiança que seus pais tem em você, e você mesmo vai acabar saindo prejudicado.


Você vive em uma família assim? Já fez tatuagem? Tem alguma dica de como convencer os pais de que não é o fim do mundo? Conta pra mim!

9 comentários

  1. Ameii o post, já me tornei seguidora e sempre vou visitar,

    Beijos,

    http://www.dobatomaosalto.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gi, fico muito feliz em saber que voce gostou do post, e muito honrada por te-la como seguidora do blog. Seja muito bem vinda!

      Beijos <3

      Excluir
  2. Nunca tive vontade de ter uma tatuagem, mas sei que meu pai não aceitaria muito bem. Mas concordo com a parte onde vc diz que a melhor forma de se resolver tudo é na base da conversa.

    Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, tudo se resolve na base da conversa! Muito obrigada por seguir e acompanhar, Fernando. Seja bem vindo
      Beijos <3

      Excluir
  3. amei o post, haha :3

    http://i-needtofeel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Não sinto vontade de fazer tatuagem... Mas creio que meus pais não gostariam! Seus post está ótimo! Ajudou bastante as que precisam! ;)
    http://www.momentosassim.com/

    ResponderExcluir
  6. Eu simplesmente dou uma balançar de ombros pros meus pais. Fiz minhas duas tatugens já maior de idade e dos meus piercings só um meu pai precisou assinar a autorização. Parto do princípio que o corpo é meu, sei que devo respeito a eles, mas tem que haver um limite.
    Gostei do post

    beijos
    Bia - www.livredujour.wordpress.com

    ResponderExcluir

Back to Top